Blog

Recebi o diagnóstico de Fibrose Pulmonar, e agora?

Por junho 28, 2019 julho 1st, 2019 Nenhum comentário

Receber o diagnóstico de fibrose pulmonar pode ser um momento muito difícil na vida do portador. Isso porque trata-se de uma doença crônica rara, que se caracteriza pelo surgimento de cicatrizes no tecido pulmonar, o que vai deixando o órgão rígido e, consequentemente, prejudicando a respiração.

A dificuldade em confirmar a existência de fibrose pulmonar é que, em seu estágio inicial, ela pode ser assintomática. Além disso, quando os sintomas começam a surgir, eles são muitas vezes confundidos com o de outras doenças. 

Devido a esses fatores, a doença muitas vezes acaba sendo diagnosticada em estágio avançado, tornando ainda mais importante o acompanhamento de um médico especializado e que o paciente siga à risca os tratamentos indicados.

Neste artigo, você vai saber o que fazer após descobrir que possui fibrose pulmonar. Antes, porém, conhecerá os primeiros sinais da doença, momento em que é imprescindível procurar ajuda.

Quais são os sintomas da fibrose pulmonar?

Os sinais da fibrose pulmonar costumam se desenvolver aos poucos e geralmente são notados quando a doença já está bem estabelecida. Os sintomas mais comuns são:

  • Tosse seca;
  • Falta de ar;
  • Perda de peso sem motivo aparente;
  • Fadiga.

Ao notar as alterações acima, é importante procurar imediatamente um pneumologista. Por se tratar de uma doença rara, pode ser necessário realizar mais de um dos exames abaixo para diagnosticá-la com precisão:

  1. Tomografia computadorizada do pulmão;
  2. Exames de sangue;
  3. Prova de função pulmonar;
  4. Biópsia do tecido pulmonar pode ser necessária em alguns casos

É importante ter em mente que, quanto mais cedo a doença for diagnosticada, antes será iniciada a terapia e, consequentemente, maior será a sobrevida do paciente. 

Estudos comprovam que, em tipos específicos de fibrose pulmonar (como a idiopática), o tempo de vida do paciente com fibrose pulmonar pode ser, em média, 3 anos.

O que fazer após o diagnóstico de fibrose pulmonar?

O primeiro passo após o diagnóstico da doença é iniciar imediatamente o tratamento. Apesar de não ter cura, é possível evitar que o quadro piore e, aos poucos, recuperar a qualidade de vida.

Entre os tratamentos que o pneumologista pode recomendar, destacam-se:

  1. Uso de medicamentos, incluindo remédios imunossupressores, como corticoides, antioxidantes e antifibróticos;
  2. Oxigenoterapia;
  3. Reabilitação respiratória;
  4. Realização de vacinas para prevenir infecções, como a antigripal;
  5. Manobras de prevenção do refluxo gastroesofágico
  6. Cessação do tabagismo

Em casos mais graves, em que o pulmão está muito comprometido e os tratamentos não estão surtindo mais efeito, é possível, ainda, realizar o transplante do órgão. 

Mude seus hábitos

Além de realizar o tratamento adequado, o paciente deve adotar hábitos mais saudáveis e evitar situações que possam prejudicar ainda mais a doença.

A alimentação, por exemplo, deve ser a mais balanceada e nutritiva possível. A recomendação é que sejam feitas refeições menores e mais frequentes, a fim de evitar sentir-se empachado, o que pode prejudicar a respiração e piorar o refluxo gastroesofágico. 

Mesmo pessoas que sofrem com falta de ar precisam realizar algum exercício com regularidade.  Isso fortalece os músculos e os torna mais resistentes à fadiga.

Outras dicas que podem ajudar a melhorar os sintomas da fibrose pulmonar são:

  1. Parar de fumar;
  2. Evitar locais que tenham muita fumaça ou poeira;
  3. Dormir pelo menos 8 horas por dia;
  4. Hidratar-se;
  5. Realizar técnicas de relaxamento para evitar situações de ansiedade.

Além disso, é importante que o paciente aceite o fato de ter a doença. Existem grupos de apoio que servem como uma espécie de terapia, em que vários pacientes compartilham histórias e experiências que podem ajudar a não se sentir sozinho.

Você tem alguma dúvida sobre fibrose pulmonar? Entre em contato conosco que ficaremos felizes em esclarecer para você!

Clínica CDRA

Autor Clínica CDRA

Mais posts por Clínica CDRA