Blog

Perguntas frequentes sobre DPOC – Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é um conjunto de distúrbios pulmonares que afetam a capacidade respiratória. Normalmente, ela ocorre devido a uma reação inflamatória a gases e partículas presentes no meio ambiente que, ao atingirem o pulmão, levam à obstrução no fluxo de ar.

A DPOC já ocupa a 5ª posição em causas de morte no Brasil e, anualmente, é responsável por 290 mil novas internações. Apesar desses números altos, a doença ainda é pouco conhecida e divulgada, o que dificulta o seu diagnóstico e, principalmente, a realização do tratamento adequado.

A fim de ampliar o conhecimento em relação a este assunto, selecionamos as perguntas mais frequentes sobre a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e as respondemos para você. Confira!

As 6 perguntas mais frequentes sobre DPOC

1 – Ser fumante é um fator de risco para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica?

De acordo com um estudo, cerca de 15% das pessoas que fumam um maço de cigarro por dia e 25% dos que fumam mais de um maço desenvolvem a doença. Desta forma, uma das recomendações médicas para evitar DPOC é ficar longe do tabaco.

Inclusive, quem já foi diagnosticado com essa doença respiratória, consegue evitar a progressão do quadro e melhorar a sua qualidade de vida se parar com esse vício.

2 – Após ser diagnosticado com DPOC grave, quanto tempo a pessoa tem de vida?

Não é possível estabelecer um limite de tempo que um portador da doença pode viver. Mesmo nos casos mais graves, se realizar o tratamento adequado e adotar hábitos saudáveis, é possível ter uma vida plena.

3 – É possível que os medicamentos, com o tempo, percam o efeito?

É possível sim que um tratamento deixe de ser eficaz. Mas não é que a medicação deixe de fazer efeito, e sim porque a doença mudou. O tratamento medicamentoso é indicado de acordo com o grau da doença e os sintomas apresentados. Caso a DPOC progrida, ou seja, piore os sintomas, é preciso rever a terapia e as dosagens utilizadas, pois os remédios podem não estar sendo os mais apropriados para aquele momento.

4 – Como evitar ataques de pânico nos momentos de falta de ar?

A falta de ar é um dos sintomas mais comuns das doenças respiratórias e é normal que ela seja consequência de crises de ansiedade ou de pânico. Na DPOC, o pulmão passa a precisar de um tempo maior para se esvaziar na expiração. Assim, toda vez que aumentamos a frequência respiratória, como nos exercícios e nas crises de ansiedade, a represamento de ar nos pulmões doentes causa falta de ar.

Para evitar as crises, uma ótima alternativa é praticar reabilitação pulmonar, que consiste em exercícios de fortalecimento da musculatura respiratória e corporal, além de técnicas de respiração para otimizar o fluxo de entrada e saída do ar.

5 – A cirurgia para Enfisema Pulmonar pode oferecer algum risco?

Alguns poucos e raros casos de DPOC podem ser candidatos a tratamento cirúrgico. Trata-se da Cirurgia Redutora de Volume pulmonar, em que regiões extensas de pulmão enfisematoso é retirada. Na DPOC, o pulmão passa a precisar de um tempo maior para se esvaziar na expiração. Assim, há uma tendência de aprisionamento de ar e aumento do volume dos pulmões. O procedimento cirúrgico é considerado um tratamento eficiente, porém apresentam riscos que precisam ser considerados caso a caso.

6 – É possível ter falta de ar utilizando oxigênio suplementar?

Mesmo que a função dos tubos de oxigênio seja melhorar a sensação de falta de ar, é possível sim ter o sintoma mesmo durante seu uso. A falta de ar na DPOC pode estar associada a outros fatores que não a falta de oxigênio no sangue, como:

  • Hiperinsuflação pulmonar: aprisionamento excessivo de ar nos pulmões, porque o pulmão passa a precisar de um tempo maior para se esvaziar na expiração. Assim, a caixa torácica, principalmente os músculos respiratórios, ficam em posição pouco vantajosa para realizar a respiração, causando falta de ar.
  • Retenção de gás carbônico: uma das funções dos pulmões é eliminar este gás do corpo, e em situações avançadas ou de piora aguda pulmonar, essa função pode estar comprometida.

É importante, portanto, realizar exames complementares para descobrir o que está prejudicando o fluxo de ar e tratá-lo adequadamente.

—-

Você tem alguma outra dúvida sobre DPOC? Entre em contato conosco que esclarecemos para você.

Clínica CDRA

Autor Clínica CDRA

Mais posts por Clínica CDRA
Enviar Mensagem
Precisa de Ajuda?
Olá!
Como podemos te ajudar?
Powered by